lunes, 31 de mayo de 2010

1º BRINCAR NA UFC: UM DIREITO DE TODOS

1º BRINCAR NA UFC: UM DIREITO DE TODOS
Compreendemos como fundamental a importância dos jogos, brinquedos e brincadeiras na formação cultural, social, educacional e de lazer nos espaços para brincar existentes em nossa universidade. É fundamental criar possibilidades e formas para que o brincar seja desenvolvido, vivenciado e transmitido nos mais diferentes espaços, para que as crianças e adolescentes se apropriem deles, refletindo a partir daí sobre a idéia da universidade ser um espaço impar, na sociedade atual, para a transmissão da cultura lúdica e para vivenciar e exercer o direito de brincar.
O Brincar como direito básico da criança. Seguindo os objetivos da declaração Universal dos Direitos da Criança em 1959, destacaremos, dentro do conjunto desses fatores, o valor central do brincar que, atravessando os vários períodos da infância, é em si uma forma de relacionamento da criança consigo mesma, com os outros e com seu ambiente. O desenvolvimento cognitivo, social, físico e afetivo da criança está diretamente relacionado às experiências sensoriais, por ela vividas desde a mais tenra idade, incluindo a exploração e a descoberta do mundo à sua volta e a maneira como relaciona os acontecimentos e interage com eles. A criança brinca como forma de desenvolver habilidades para a sua vida futura. Para ela é um processo natural e as brincadeiras acontecem tanto nos jogos e no faz de conta, quanto nas atividades de expressão artística como música, dança, além da exploração da natureza, que existe ao seu redor.
Podemos com o brincar avaliar o que ocorre com indivíduos que não têm essa capacidade: para eles, as condutas violentas e agressivas não provocam nenhum mal-estar ou constrangimento, pois não conseguem reproduzir em si mesmos, os sentimentos e sofrimentos que podem causar aos outros. A criatividade, a descoberta do significado na vida de cada um, a capacidade de trabalhar em grupo, a competência para lidar com desafios e frustrações e o humor são os alicerces da auto-estima o que, certamente, favorecerá o surgimento de indivíduos resilientes e equilibrados.



O brincar é, pois, a experiência da criança, estimulando todos os seus sentidos e por isso deve ser considerado como parte do seu processo educativo. Desde os primeiros meses até a puberdade, as brincadeiras trazem ganhos para o vocabulário da criança, aumentam suas habilidades físicas e intelectuais, tornando-a mais criativa, melhorando a sua tolerância às frustrações e ajudando-a no controle da sua agressividade. Brincar favorece o desenvolvimento dos vínculos afetivos e sociais positivos, condição única para que possamos viver em grupo, de forma pacífica. Pela riqueza de experiências vivenciadas pela criança ao brincar, podemos dizer que ele é indispensável como espaço de aprendizagem, pois potencializa a exploração e a construção do conhecimento.

Brincar, principalmente nos espaços públicos, favorece a multiculturalismo, a diversidade, a inclusão, a sociabilidade, enriquece o universo informacional infantil, fomentando as relações pacíficas. Várias pesquisas têm demonstrado que, ao proporcionar um acolhimento amoroso e estimulante às crianças, durante os primeiros anos de vida, pode-se evitar problemas de saúde, do ponto de vista emocional e físico. Além disso, o ato de brincar reúne todas as condições necessárias para que o desenvolvimento infantil se processe de maneira harmoniosa. A oferta permanente de desafios e contatos desenvolve a inteligência e facilita a formação de vínculos positivos com os adultos, influenciando a sua vida futura.

Se pensarmos que o jogo, o brinquedo e a brincadeira, quando associadas ao processo de aprendizagem, podem propiciar o desenvolvimento de todas essas qualidades, estaremos diante do melhor instrumento de que dispomos para a educação integral de nossas crianças e a base para o seu bom desempenho pessoal, cidadã, profissional. Apesar de constituírem um avanço, as atividades lúdicas e culturais, do brincar livre, do brincar pelo prazer de brincar, ainda não merecem a devida importância dos diferentes atores que compõem o cenário brasileiro. Por diferentes razões, o tempo gasto com o lazer e o lúdico ainda é considerado, por muitos setores da nossa sociedade, como tempo perdido ou tempo “morto” e as pessoas que dele fazem uso, como pouco produtivas, superficiais, quando não, irresponsáveis. Essa atitude leva à supervalorização das atividades laborais, estabelecendo agendas executivas para as crianças de melhor nível sócio-econômico e dificultando, inclusive, as ações de combate ao trabalho infantil, muitas vezes penoso e em muito contribuindo para a exclusão social das crianças mais pobres, uma vez que, não só as impede de brincar, mas também de estudar e de desenvolver-se em sua plenitude do ser em formação: física, mental e espiritual. O brincar, em suas diferentes formas, certamente desempenha papel essencial na construção das relações pacíficas, contribuindo significamente para o desenvolvimento humano pelas diferentes formas com que se apresenta, seja nos jogos tradicionais mais simples ou nos mais sofisticados, nos jogos de construção, nos jogos de faz-de-conta, nas diferentes brincadeiras, jogos cooperativos ou competitivos, nas mais variadas manifestações culturais e até mesmo na elaboração dos materiais lúdicos sejam eles estruturados ou não estruturados. Por estas razões, a importância do brincar no desenvolvimento infantil representa um dos temas principais do Dia Internacional do Brincar.

Graças à iniciativa da ITLA (International Toy Library Association), já há alguns anos o mês de maio tem sido consagrado à comemoração da brincadeira e à valorização do brincar em alguns países da Ásia, da Europa e da América do Sul, inclusive no Brasil. Tais comemorações concentram-se, sobretudo, no dia 28 de maio, fazendo com que esta data seja cada vez mais conhecida como o dia internacional do brincar. Sabemos que o brincar é um direito da criança como apresentam diversos documentos internacionais.





A declaração universal do direito da criança – ONU (20/11/1959) diz: “... A criança deve ter todas as possibilidades de entregar-se aos jogos e às atividades recreativas, que devem ser orientadas para os fins visados pela educação; a sociedade e os poderes públicos devem esforçar-se por favorecer o gozo deste direito”. (Declaração Universal dos Direitos da Criança, 1959). Já nos princípios que orientam a Associação Internacional Pelo Direito da Criança Brincar – IPA em 1979 (Malta), em 1982 (Viena) e em 1989 (Barcelona) verificamos os seguintes eixos onde o brincar pode atuar: Na SAÚDE o brincar é essencial para saúde física e mental das crianças; Na EDUCAÇÃO o brincar faz parte do processo da formação educativa do ser humano; No BEM ESTAR – AÇÃO SOCIAL o brincar é fundamental para a vida familiar e comunitária; No LAZER E NO TEMPO LIVRE a criança precisa de tempo para brincar em seu tempo de lazer. E por último no PLANEJAMENTO onde as necessidades da criança devem ter prioridade no planejamento do equipamento social, educacional e de lazer.






Hoje sabemos que uma nação que se preocupa com o “Direito de Brincar”, deve ter em suas políticas públicas ações especificas em três eixos básicos: 1) Criação de espaços lúdicos estruturados para jogos, brinquedos e brincadeiras; 2) Organização sistemática de ações de formação lúdica de recursos humanos em diferentes níveis; 3) Criação de centros de pesquisa, de documentação e assessoria sobre jogos, brinquedos e brincadeiras e outros materiais lúdicos.




No Brasil existe um documento de grande relevância, que foi o estudo introdutório do referencial curricular nacional para a educação infantil no eixo do brincar, este documento é conhecido como Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN. Este documento foi criado no ano de 1998 em Brasília por educadores especialistas no assunto. Elencaremos abaixo alguns pontos apresentados neste estudo: a) É imprescindível que haja riqueza e diversidade nas experiências que lhes são oferecidas nas instituições. b) A brincadeira é uma linguagem infantil. c) No ato de brincar, os sinais, os gestos, os objetos e os espaços valem e significam outra coisa daquilo que aparentam ser. Ao brincar as crianças recriam e repensam os acontecimentos que lhes deram origem, sabendo que estão brincando; d) O principal indicador da brincadeira, entre as crianças, é o papel que assumem enquanto brincam. e) Nas brincadeiras, as crianças transformam os conhecimentos que já possuíam anteriormente em conceitos gerais com os quais brinca. f) O brincar contribui, assim, para a interiorização de determinados modelos de adulto. g) Os conhecimentos da criança provêm da imitação de alguém ou de algo conhecido, de uma experiência vivida na família ou em outros ambientes, do relato de um colega ou de um adulto, de cenas assistidas na televisão, no cinema ou narradas em livros etc.; h) É no ato de brincar que a criança estabelece os diferentes vínculos entre as características do papel assumido, suas competências e as relações que possuem com outros papéis, tomando consciência disto e generalizando para outras situações. I) Para brincar é preciso que as crianças tenham certa independência para escolher seus companheiros e os papéis que irão assumir no interior de um determinado tema e enredo, cujos desenvolvimentos dependem unicamente da vontade de quem brinca. Neste mesmo documento o PCN apresenta o brincar por meio de várias categorias. E essas categorias incluem: 1) O movimento e as mudanças da percepção resultantes essencialmente da mobilidade física das crianças; 2) A relação com os objetos e suas propriedades físicas assim como a combinação e associação entre eles; 3) A linguagem oral e gestual que oferecem vários níveis de organização a serem utilizados para brincar; os conteúdos sociais, como papéis, situações, valores e atitudes que se referem à forma como o universo social se constroem; 4) E, finalmente, os limites definidos pelas regras, constituindo-se em um recurso fundamental para brincar.
"BRINCAR É UMA EXPERIÊNCIA HUMANA SINGULAR, RICA E COMPLEXA"

lunes, 26 de abril de 2010

ENTREVISTA DA TV VERDES MARES-LABRINJO

LABORATÓRIO DE BRINQUEDOS E JOGOS-LABRINJO
(MATÉRIA TV VERDES MARES)

ESTE VIDEO É RESULTADO DA MATÉRIA SOBRE O LABRINJO APRESENTADA NO PROGRAMA BOM DIA CEARÁ DA TV VERDES MARES (CANAL 10) DO DIA 26/04/2010. APROVEITO PARA AGRADECER A EQUIPE DO BOM DIA CEARÁ PELO EXELENTE TRABALHO JORNALISTICO. PROFESSOR MARCOS TEODORICO.

Video feito em 22-4-2010 dentro da Brinquedoteca de Pesquisa e Lazer do IEFES-UFC. As crianças do vídeo participam do projeto das Vilas Olímpicas do Governo do Estado do Ceará. A vila Olímpica do Canindezinho coordenado pela Professora Luana Medeiros. Participaram desta visita aproximadamente 40 crianças da faixa etária de 7 a 10 anos. Aproveito para agradecer as crianças, os educadores, os brinquedistas (alunos da UFC), a coordenadora e o supervisor geral das vilas o professor Valdir.

video

sábado, 24 de abril de 2010

BRINQUEDOTECA DE PESQUISA E LAZER

Como visitar nossa Brinquedoteca de Pesquisa e Lazer do Instituto de Educação Física e Esporte – IEFES/UFC?


Professor Marcos Teodorico (Coordenador do LABRINJO e da BRINQUEDOTECA)

Venham visitar nossa Brinquedoteca do IEFES/UFC?


As instituições escolares públicas e privadas poderão agendar uma visita na brinquedoteca do IEFES-UFC, através de um formulário disponibilizado no site: http://www.labrinjo.ufc.br ou enviando um ofício para o coordenador da BRINQUEDOTECA DE PESQUISA E LAZER no e-mail: brinquedoteca@ufc.br

A BRINQUEDOTECA do IEFES-UFC funcionará para atendimento as escolas pela manhã e tarde todas as terças e quintas. Receberemos em nosso espaço grupos de até 40 crianças. Cada escola terá um tempo de permanência de 2 horas na brinquedoteca. O transporte e o deslocamento dos alunos até a BRINQUEDOTECA ficam sob a responsabilidade de cada escola visitante.

ATENÇAO! O agendamento para visita na brinquedoteca do IEFES-UFC deve ser feito com o prazo mínimo de 72 horas.




Coordenador:

Marcos Teodorico Pinheiro de Almeida

E-mail:

mtpa@ufc.br
labrinjo@ufc.br

Telefone para contato e agendamento de visitas:

(085) 3366. 92.16

Localização:

Av. Mister Hull, s/n – Parque Esportivo
Bloco 320 – Parque Esportivo
Campus do Pici / CEP:60455-760
Fortaleza – Ceará – Brasil
Laboratório de brinquedos e Jogos – LABRINJO
Instituto de Educação Física e Esporte – IEFES/UFC



Vejam abaixo as fotos do nosso espaço lúdico estruturado especialmente para receber vocês para brincar, fantasiar, criar, aprender e ser feliz.






As fotos acima foram feitas em 2010 no espaço internpo da BRINQUEDOTECA e LABRINJO

Professor Marcos Teodorico (Coordenador do LABRINJO e da BRINQUEDOTECA)


Foto de Adones e Thabata Brinquedistas e Animadores Lúdicos (Bolsista e Voluntário)


Professor Marcos Teodorico (Coordenador do LABRINJO e da BRINQUEDOTECA)



Abaixo compartilhamos algumas fotos feitas em 22-4-2010 dentro da Brinquedoteca de Pesquisa e Lazer do IEFES-UFC. As crianças do vídeo participam do projeto das Vilas Olímpicas do Governo do Estado do Ceará. A vila Olímpica do Canindezinho coordenado pela Professora Luana Medeiros. Participaram desta visita aproximadamente 40 crianças da faixa etária de 7 a 10 anos. Aproveito para agradecer as crianças, os educadores, os brinquedistas (alunos da UFC), a coordenadora e o supervisor geral das vilas o professor Valdir.


Foto com todas as Crianças da Vila Olímpica do Canindezinho, professores, brinquedistas, coordenadores e educadores (ano 2010)