jueves, 5 de noviembre de 2009

INFÂNCIA E PAZ - O BRINCAR NA CONSTRUÇÃO DA PAZ




O brincar na construção da paz

Em continuidade aos eventos voltados para as questões da primeira infância, a Presidência do Senado organiza nos dias 27 a 30 de outubro de 2009 a 2ª Semana de Valorização da Primeira Infância e Cultura da Paz, cujo tema central será: “O Brincar na Construção da Paz”. Seguindo os objetivos anteriormente propostos pelos Fóruns Senado Debate Brasil (2007), e pela 1ª. Semana de Valorização da Primeira Infância e Cultura da Paz (2008), esse evento visa ao objetivo geral de sensibilizar e conscientizar os legisladores e demais autoridades constituídas, organizações não-governamentais e toda a sociedade no sentido de dedicar maior atenção à Primeira Infância, tendo em vista que essa é uma fase primordial na construção do ser humano. Os organizadores almejam contribuir, por meio desses eventos, para a elaboração de políticas públicas voltadas para a Primeira Infância, em vários níveis e setores, como a saúde, a educação, a assistência social, a cultura e os direitos da criança. Nesta edição de 2009, a Semana de Valorização da Primeira Infância conta com a força de participação da Rede Nacional Primeira Infância, que realizará nos dias 26 e 27 de outubro sua Assembléia e apresentarão, durante a Semana, o Plano Nacional da Primeira Infância. Em sua programação, a Semana abordará uma vez mais os grandes temas da primeira infância, apresentando os pontos mais importantes das pesquisas atuais dentro de uma perspectiva consiliente, que reconhece a complexidade e a complementaridade dos vários fatores em jogo nos processos de desenvolvimento infantil. Destacará, dentro do conjunto desses fatores, o valor central do brincar que, atravessando os vários períodos da infância, é em si uma forma de relacionamento da criança consigo mesma e com seu ambiente. O desenvolvimento cognitivo, social, físico e afetivo da criança está diretamente relacionado às experiências sensoriais, por ela vividas desde a mais tenra idade, incluindo a exploração e a descoberta do mundo à sua volta e a maneira como relaciona os acontecimentos e interage com eles. A criança brinca como forma de desenvolver habilidades para a sua vida futura. Para ela é um processo natural e as brincadeiras acontecem tanto nos jogos e no faz de conta, quanto nas atividades de expressão artística como música, dança, além da exploração da natureza, que existe ao seu redor. O brincar é pois, a experiência da criança, estimulando todos os seus sentidos e por isso deve ser considerado como parte do seu processo educativo. Desde os primeiros meses até a puberdade, as brincadeiras trazem ganhos para o vocabulário da criança, aumentam suas habilidades físicas e intelectuais, tornando-a mais criativa, melhorando a sua tolerância às frustrações e ajudando-a no controle da sua agressividade. Brincar favorece o desenvolvimento dos vínculos afetivos e sociais positivos, condição única para que possamos viver em grupo, de forma pacífica. Pela riqueza de experiências vivenciadas pela criança ao brincar, podemos dizer que ele é indispensável como espaço de aprendizagem, pois potencializa a exploração e a construção do conhecimento. Brincar, principalmente nos espaços públicos, favorece a multiculturalidade, a sociabilidade, enriquece o universo informacional infantil, fomentando as relações pacíficas. Várias pesquisas têm demonstrado que, ao proporcionar um acolhimento amoroso e estimulante às crianças, durante os primeiros anos de vida, pode-se evitar problemas de saúde, do ponto de vista emocional e físico. Além disso, o ato de brincar reúne todas as condições necessárias para que o desenvolvimento infantil se processe de maneira harmoniosa. A oferta permanente de desafios e contatos desenvolve a inteligência e facilita a formação de vínculos positivos com os adultos, influenciando a sua vida futura. O cérebro humano se desenvolve mais rapidamente durante os primeiros meses, do que em qualquer outro período da vida, estabelecendo conexões que ficarão para sempre. Há evidencias de inúmeros problemas que podem ter suas raízes no tipo da estimulação mental, oferecida pelos pais e/ou cuidadores, aos bebês e crianças na primeira infância, notadamente os distúrbios de atenção, hiperatividade e condutas violentas ou sociopáticas. É nessa fase também que se desenvolve a capacidade de ter empatia ou seja, de colocar-se no lugar do outro. Podemos avaliar o que ocorre com indivíduos que não têm essa capacidade: para eles, as condutas violentas e agressivas não provocam nenhum mal-estar ou constrangimento, pois não conseguem reproduzir em si mesmos, os sentimentos e sofrimentos que podem causar aos outros. A criatividade, a descoberta do significado na vida de cada um, a capacidade de trabalhar em grupo, a competência para lidar com desafios e frustrações e o humor são os alicerces da auto-estima o que, certamente, favorecerá o surgimento de indivíduos resilientes e equilibrados. Se pensarmos que as brincadeiras, quando associadas ao processo de aprendizagem, podem propiciar o desenvolvimento de todas essas qualidades, estaremos diante do melhor instrumento de que dispomos para a educação integral de nossas crianças e a base para o seu bom desempenho pessoal e profissional. Apesar de constituírem um avanço, as atividades lúdicas e culturais, do brincar livre, do brincar pelo prazer de brincar, ainda não merecem a devida importância dos diferentes atores que compõem o cenário brasileiro. Por diferentes razões, o tempo gasto com o lazer e as brincadeiras ainda são considerados, por muitos setores da nossa sociedade, como tempo perdido e as pessoas que dele fazem uso, como pouco produtivas, superficiais, quando não, irresponsáveis. Essa atitude leva à supervalorização das atividades laborativas, estabelecendo agendas executivas para as crianças de melhor nível sócio-econômico e dificultando, inclusive, as ações de combate ao trabalho infantil, muitas vezes penoso e em muito contribuindo para a exclusão social das crianças mais pobres, uma vez que, não só as impede de brincar, mas também de estudar e de desenvolver-se em sua plenitude do ser em formação: física, mental e espiritual. O brincar, em suas diferentes formas, certamente desempenha papel essencial na construção das relações pacíficas, contribuindo significamente para o desenvolvimento humano pelas diferentes formas com que se apresenta, seja nos jogos tradicionais mais simples ou nos mais sofisticados, nas diferentes brincadeiras, nas variadas expressões culturais e até mesmo na elaboração dos materiais lúdicos. Por estas razões, a importância do brincar no desenvolvimento infantil representa um dos temas principais do programa do seminário da 2ª Semana de Valorização da Primeira Infância e Cultura de Paz, ocasião em que diversos especialistas estarão apresentando as mais recentes pesquisas sobre o papel das atividades lúdicas no desenvolvimento infantil e a sua importância na Prevenção da Violência na Primeira Infância. É também em razão da complementaridade dos vários campos de estudo da infância que o Seminário deverá acolher os pontos de vista de diferentes profissionais e pesquisadores nacionais e internacionais, convidados a trazer suas contribuições para que possam ser delineados, no estado atual dos conhecimentos, os fundamentos das questões tratadas. O evento constará de: Conferências, Painéis e Mesa de Debates, complementados por Oficinas e Cursos especializados, exibição de Filmes e realização de uma Exposição, enfocando alguns dos grandes temas da infância, com ênfase na importância das atividades lúdicas nas áreas da: saúde, cultura, educação, desenvolvimento social e direitos humanos. O programa desta 2ª.Semana insere-se dentro do objetivo geral de definir quais são os fatores de prevenção determinantes para o desenvolvimento saudável das crianças, e quais os meios para torná-los efetivos em nossa sociedade. O público-alvo será composto de profissionais da saúde, educação, serviços sociais e demais áreas envolvidas com o atendimento da criança em todos os seus níveis, assim como os gestores de políticas públicas e programas voltados para o atendimento da primeira infância. A exemplo do ano anterior haverá a instalação da Exposição Infância e Paz, cujo tema será o Brincar na Construção da Paz, além de Audiência Pública Conjunta nas Comissões de Educação, Cultura e Esporte, Assuntos Sociais e Direitos Humanos – Valorização da Primeira Infância e Cultura da Paz.



video